Abecedários 2021-03-23T15:12:55-03:00

Abecedários

O presente trabalho resulta da reflexão sobre uma pesquisa que, colocando em diálogo o cinema com a educação, tem produzido abecedários como gesto de comunicação e compartilhamento de produção colaborativa de conhecimento.

Sobre Abecedários:

Au commencement, Dieu Créa l’alphabet! Alors furent créés le ciel et la terre.

“Vingt-deux lettres il les a gravées et les a sculptées, il les pesa et les mis em mouvement selon différentes combinaisons Par elles, il créa l’âme de toute créature et l’âme de toute parole. […] Vingt-deux lettres fondamentales, fixées sur une roue comportant 231 portails. Et la roue tourne vers  l’avant et vers l’árriere… Comment les pesa-t-il et les mit-il em mouvement? Marc-Alain Ouaknin

Claire Parnet [1994]: Gilles Deleuze sempre se negou a aparecer na TV. Mas atualmente ele acha sua doença tão parecida com a petite mort, da canção de A. Souchon, que mudou de opinião. Mantive, porém, sua declaração [“a cláusula”], feita em 1988, no início da filmagem.

Gilles Deleuze [1988]: Você escolheu um abecedário, me preveniu sobre os temas, não conheço bem as questões, mas pude refletir um pouco sobre os temas… Responder a uma questão sem ter refletido é, para mim, algo inconcebível. O que nos salva é a cláusula. A cláusula é que isso só será utilizado – se for utilizável – só será utilizado após minha morte. Então, já me sinto reduzido ao estado de puro arquivo de Pierre-André Boutang, de folha de papel e isso me anima muito, me consola muito e, quase no estado de puro espírito, eu falo, falo… após minha morte… e, como se sabe, um puro espírito, basta ter feito a experiência da mesa girante [do espiritismo] para saber que um puro espírito não dá respostas muito profundas nem muito inteligentes; é um pouco vago, então está tudo certo, tudo certo para mim, vamos começar: A, B,C, D… o que você quiser. (Gilles Deleuze e Claire Parnet)

A partir da genial ideia de Claire Parnet, vários pesquisadores tem se inspirado para fazer abecedários de formatos diferenciados. O primeiro resultou de uma profunda amizade e conhecimento entre professor e discípula. A condição de Deleuze foi “publicizar pós-mortem”. Outros abecedários têm sido produzidos com formato de livro (KOHAN e XAVIER, 2009; CORAZZA e AQUINO, 2009, por exemplo); dissertações e teses (SABINO, 2015; REZENDE, 2016); abecedários audiovisuais; entre outros. O presente trabalho resulta da reflexão sobre uma pesquisa que, colocando em diálogo o cinema com a educação, tem produzido abecedários como gesto de comunicação e compartilhamento de produção colaborativa de conhecimento. 

Tendo por objetivo pesquisar e aprofundar conhecimentos em diálogo direto com reconhecidos representantes da área do cinema e da educação, ela ganha contornos de ensino e, em alguma medida, também de extensão. Trata-se de um gesto de comunicação da educação como resistência, para resistir de forma contundente à dicotomia entre processo e produto, constituindo uma abordagem teórico-metodológica sobre as temáticas abordadas e ativando uma nova forma de ignorância, no sentido de permeabilizar a membrana entre desejo e conhecimento. A potência da comunicação pedagógica dos abecedários reside no fato de qualquer pessoa poder acessá-los e em conceitos centrais, às vezes simples, que constituem a base para a compreensão de um complexo teórico de uma área do conhecimento.  A potência pedagógica dos abecedários consiste na intenção de tornar acessível o conhecimento compartilhado para um público iniciante.

2020

Abecedário de Inés Dussel: Janela da Memória.

Abecedário de Michael Fontana: Literacia dos Meios.

Abecedário de Carlos Skliar: Tempo de Delicadeza.

Abecedário de Gabriela Augustowsky: Educação Audiovisual.

Abecedário de Gabriel Rodríguez: Políticas do Cineclubismo.

2019

Abecedário de Virgínia Kastrup: Cartografias da Invenção.​

2018

Abecedário de Walter Kohan: Infância (entre a Filosofia e a Educação).

Legendado em italiano
Legendado em inglês

Contato: um abecedário audiovisual por estudantes de uma escola de cinema.

Abecedário de Cacique Mapuche.

Abecedário de André Brasil: Cinema.

Abecedário de Vera Candau: Educação e Interculturalidade.

2017

Abecedário de Para Yxapy: Cinema Indígena.

Na Língua Guarani

O de ofício de professor - Jorge Larrosa

2016

Abecedário de Ana Mae Barbosa: Ensino de artes: produção de conhecimento de 0 à 99 anos.

Abecedário de Jorge Larrosa: O de Ofício de Professor.

2014

Abecedário de Alicia Vega: Cinema com crianças.

Abecedário de Vicente Carelli: Cinema.

Abecedário de Ignácio Aguero: Cinema.

2013

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support